28 de novembro de 2013

Independência

"Estudantes de Ciências da Computação serão cientistas", disse-me o coordenador do Curso, o professor Átila. "Devem pensar e escrever bem", justificou. Aparentemente óbvia, registrei a afirmação, no início do semestre, como uma advertência. Afinal, o senso comum grita que estudantes de informática não gostam de ler ou de escrever, que são individualistas e só pensam em programar.
Ao longo do semestre fui descobrindo que a turma tinha sua lógica própria. Os olhos por trás dos monitores nada tinham de apáticos ou de alienados. Apesar das poucas palavras, dos raros sorrisos, sempre contiveram o brilho da curiosidade e a energia para não fugir a desafios.
As primeiras leituras foram arrastadas, as próximas fluíram. Mas, quando se tratava de estabelecer relações, de levantar os véus do senso comum, a união se estabelecia prontamente. Como assim, alunos de Informática são alienados e individualistas?
A prática do ensino de redação e de gramática do português me ensinou que, quanto mais associada ao real, mais a redação faz sentido; quanto mais vinculada aos interesses pessoais, mais a leitura é prazerosa. Essa foi a principal razão de se chegar ao Super TechWorld.
O Super TechWorld começou como um desafio de leitura e redação que pudesse ser compartilhado com os estudantes de Informática do UniRitter. Tornou-se mais que isso.
Chegamos ao final do semestre letivo e hoje, mais que dez alunos de Língua Portuguesa, reconheço-os como sujeitos críticos, bem informados, sensíveis, cooperativos e, agora, definitivamente, blogueiros.
A partir de dezembro de 2013, o Super TechWorld ganha independência, deixa de ser um trabalho acadêmico, segue como um blog de pessoas interessadas na tecnologia da informação. Que tenha uma vida longa e produtiva!

Nenhum comentário:

Postar um comentário